Rui Cardoso Martins

Personalidades Literatura

Rui Cardoso Martins nasceu em Portalegre em 1967. Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, foi jornalista na fundação do Público em 1990. O seu primeiro romance E Se Eu Gostasse Muito de Morrer foi editado pela D. Quixote em 2006 e publicado nas línguas espanhola, inglesa e húngara. A publicação Deixem Passar o Homem Invisível (2009) valeu a Rui Cardoso Martins o Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores. Lançou ainda Se Fosse Fácil Era para os Outros (2012), considerado livro do ano por diversas publicações nacionais, O Osso da Borboleta (2014) e Levante-se o Réu (2015), recolha de crónicas de tribunal editadas durante 17 anos no jornal Público, com as quais ganhou dois prémios Gazeta de Jornalismo.

É autor, também, de argumentos e guiões de algumas longas-metragens, tais como Em Câmara Lenta, Duas Mulheres ou Zona J. Cardoso Martins é cofundador da agência Produções Fictícias, tendo, assim, participado na criação e autoria dos programas de televisão “Contra-Informação”, “Herman Enciclopédia” e “Estado de Graça”.

Em 2017 foi-lhe atribuída a Bolsa de Residência Literária do Camões Berlim, que lhe permitiu uma presença na Feira do Livro de Frankfurt desse ano. No ano seguinte, fez parte da delegação de autores de língua portuguesa na Feira do Livro de Leipzig.

Conteúdo Relacionado