Álvaro chega a Havana para cumprir o serviço militar, deixando para trás a frágil pacatez de Ciego de Ávila, pequena cidade de onde nunca sairá o avô Ernesto, inquieto mas dedicado seguidor de Fidel. Álvaro, o jovem músico, conhece Lia, a revolucionária. Entre Álvaro e Lia, como entre o passado da revolução cubana e o futuro de um país que ainda não encontrou o seu caminho, joga-se a decisão de ficar ou de partir.

Cuba é hoje um país a olhar o céu à espera do grande furacão. Na longa demora da catástrofe, a vida suspende-se e revive-se o passado: quando éramos jovens, quando éramos prósperos, quando ainda acreditávamos na revolução, quando ainda não sabíamos que não éramos brancos, quando falávamos de coisas que não entendíamos, quando éramos cegos dentro da nossa caverna florida.

Fonte: Tinta-da-china

Requisitar excerto traduzido